Google+ Followers

terça-feira, 21 de maio de 2013

Afinal, os cães são lobos domesticados? Será?



 Texto extraído do Livro: “Os Cães Sonham?” de autoria de Stanley Coren – Editora paralela – pág.(199,200.201)

“Muitas pessoas acreditam que os cães são apenas lobos domesticados. Essa crença se mantém devido ao fato de que alguns cães se parecem tanto com lobos que fica difícil para qualquer pessoa, com exceção dos cientistas treinados, diferenciá-los”

Aqui caro leitor, acrescento mais um aspecto. Durante anos essa crença se permaneceu devido ao fato de que o estudo da teoria da dominância em lobos, foi utilizado como parâmetro e compreensão dos comportamentos caninos. Até hoje, muitos adestradores defendem e divulgam essa idéia e não raro, treinadores desatualizados do show-business inflam o peito ao defender que sim, os cães são lobos domesticados e que sim, devemos analisar o comportamento canino com base na teoria da dominância. Ora, crer que uma espécie como a canina evoluiu para um apego com a espécie humana onde o convívio fosse possível, tendo como parâmetro DOMINADOR-SUBMISSO, seria praticamente impossível de haver a domesticação. Uma das espécies iria dançar. Darwin explica. Já foi provado que o processo de domesticação dos cães se estabeleceu numa relação de afiliação e não de dominância e submissão. Voltando ao texto:

“Exemplos de semelhanças desse tipo, são o Pastor-alemão e o Lobo cinzento, ou o Husky siberiano e o Lobo ártico. É claro que esse argumento enfraquece diante de cães como o Daschund e o São Bernardo, que não se parecem em nada com lobos. Sendo assim, como os cientistas sabem que os cães possuem ancestralidade em comum com o lobo?
Existem muitos procedimentos científicos para tentar responder a essa pergunta. Um deles é o exame de material genético, isto é, o DNA de cães e lobos. Ao examinar esse material descobriu-se que há uma sobreposição de quase 99%, em média, entre o DNA dos lobos e dos cães domésticos. Na verdade, o DNA de algumas raças de cães às vezes apresentam diferenças maiores entre si do que a encontrada entre certas raças mais antigas e lobos.
Antes que as semelhanças genéticas nos levem a concluir que cães e lobos devem ser a mesma espécie, diferindo apenas no fato de que os cães foram domesticados e amansados para coexistir com os seres humanos, precisamos considerar outros fatores. Em primeiro lugar, tanto cães quanto lobos pertencem ao mesmo grupo filogenético Carnívora, ou comedores de carne. Esse grupo inclui muitas outras espécies caninas, como os chacais, coiotes, dingos, cães selvagens e raposas.
Quando examinamos o DNA de todas essas outras espécies de caninos selvagens e comparamos cada um com o DNA dos cães domésticos, descobrimos que eles tem o mesmo espectro de sobreposição dos cães. Isso significa que o DNA de um chacal ou de um dingo se parece tanto com o DNA de um cão quanto o DNA de um lobo.”

Opa, tem gente pulando da cadeira agora, mas calma que Stanley Coren continua: 

“Se a resposta obtida através do DNA não é conclusiva, então talvez possamos usar outra técnica. Existe outra maneira de avaliar se cães e lobos são da mesma espécie, algo aceito há muito tempo – o acasalamento entre esses dois animais, produzindo descendentes férteis, geralmente é aceita como evidência de que fazem parte da mesma espécie. O fato de que cães e lobos podem cruzar é bastante conhecido. Na verdade, há quem produza animais híbridos (lobos-cães) para venda como animais exóticos. Mas os cientistas já mostraram que os cães domésticos podem cruzar com chacais, coiotes, dingos, cães selvagens africanos, além de raposas do ártico e Níger foxes.”

É o Ivan Chitolina que está dizendo isso? Não! É o Stanley Coren, pesquisador renomado da área. Por favor, briguem com ele, não comigo.
Mas calma que continua.

“Devemos lembrar, porém,, que a fisiologia não é tudo. Sabemos, por exemplo, que cães e lobos se comportam de maneiras diferentes. Para citar algumas diferenças, os lobos são caçadores ativos e muito habilidosos, enquanto que a maioria das raças perdeu esse talento. Os lobos tem o andar lento, os cães trotam. Os cães se ligam aos humanos facilmente; os lobos, não. Os cães podem ser treinados para responder aos comandos dos seres humanos de maneira consistente, enquanto os lobos, com raras exceções, não.
O que podemos concluir desses dados? Talvez seja melhor refazer a pergunta para encontrarmos uma resposta. Vamos perguntar assim: “Quais espécies são ancestrais dos cães?”. Os dados genéticos sugerem que talvez a conclusão mais simples e conservadora seja a de que os cães são uma mistura de muitas das espécies de caninos selvagens existentes e talvez até de espécies atualmente extintas. Se isso for verdadeiro, estaria explicado como há entre os cães domésticos uma variação genética capaz de produzir raças tão diferentes quanto o pequinês e o dogue alemão”

E assim, Stanley Coren termina a sua colocação.

Eu acrescento.

Menos masturbação lupina para entender e explicar o comportamento canino e mais entendimento canino com o olhar para a espécie canina.

Um grande abraço a todos.

Ivan Chitolina

Nenhum comentário: