Google+ Followers

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Atenção aos Carrapatos!

Carrapatos


Decidi dedicar esse post para transmitir algumas informações a respeito dos carrapatos. Espero contribuir para um melhor conhecimento a respeito do assunto e quanto aos cuidados com o seu cão.
As informações foram retiradas de três fontes listadas abaixo.

FONTES: Cães e Gatos - Um Guia de Saúde
                 Autor: Johannes Odendaal

Web Site: WIKIPEDIA - http://pt.wikipedia.org/wiki/Carrapato
Web Site: howstuffworks, por Tracy Wilson - traduzido por HowStuffWorks Brasil

Definição: um carrapato, carraça ou chato é um artrópode da ordem dos ácaros, classificado nas famílias Ixodidae ou Argasidae. São ectoparasitas hematófagos, responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças.

Localização: Encontra-se difundido por toda a Terra tanto no campo como na cidade, pois o principal motivo de sua ação é o ser humano ou animal de cujo sangue se alimenta, sendo por isso considerado hematófago e um dos principais vetores de muitas doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários e riquétsias, que transmitem doenças ao homem e animais.Vivem em touceiras, capim, no chão, entre as madeiras em climas úmidos ou secos, em todos os continentes: África, América do Norte, América do Sul e América Central, Europa, Oceania e Ásia, enfim em qualquer lugar da Terra.

No Brasil: Os carrapatos mais comuns no Brasil são:

  • Carrapato-de-boi (Boophilus microplus) que transmite ao gado a doença "Tristeza Bovina".
  • Carrapato-de-cavalo ou Carrapato Estrela (Amblyomma cajennense) é o que mais comumente parasita o homem. Também infesta mamíferos domésticos e silvestres e aves. Em sua forma adulta, ele é conhecido como carrapato estrela. Fica grande, do tamanho de um feijão verde, ou até maior. A sua forma larval, o micuim, está nos pastos no período de março a julho. Este tipo de micuim, que pode ficar até 24 meses sem se alimentar, esperando um hospedeiro, no homem causa terrível coceira e inflamação que pode durar mais de um mes.
  • Carrapato-de-galinha (Argas miniatus), que transmite aos galináceos a bouba, doença infecciosa semelhante à sífilis.
  • Carrapato-vermelho-do-cão (Rhipicephalus sanguineus), típico de cães e gatos. Os adultos preferem instalar-se na pele, entre o coxim plantar e as orelhas do cão. Sobem pelas cercas, muros, e espalham-se pelo canil, casa, etc. É de difícil controle.
Sinais Clínicos: as picadas dos carrapatos podem levar a formação de abcessos. Os carrapatos são sugadores de sangue e também podem transmitir doenças infecciosas. Certos carrapatos excretam uma substância tóxica que causa necrose de pele, determinando dor e claudicação. Os carrapatos também podem dirigir-se as orelhas dos animais, determinando uma reação que afeta o senso de equilíbrio.

Diagnóstico Diferencial: outras causas de feridas, doenças infecciosas e infestações do ouvido externo e médio.

Ocorrência: mais comum na primavera e verão, quando os carrapatos são mais ativos. A umidade também ativa os carrapatos. Embora os carrapatos possam aderir-se a qualquer parte do corpo, eles são menos prevalentes nas áreas onde há pelame denso.

Causas: os dois tipos de carrapatos mais encontrados em cães são Rhipicephalis sanguineus (carrapato marrom) e Haemaphysalis leachi (carrapato dos canis). Os machos da espécie Rhipicephalis possuem um formato triangular e são castanho avermelhados. As fêmeas põem aproximadamente 3000 ovos. Os machos da espécie Haemaphysalis são amarelados, com formato oval. As fêmeas depositam aproximadamente 5000 ovos. Os ovos de um terceiro, as espécies de Hyaloma (pernas curvadas) são brancos e vermelhos. Este carrapato secreta uma toxina na pele, causando dor e necrose. Os carrapatos apresentam 3 formas durante o seu ciclo de vida, que compreende os estágios de ovo, larva, ninfa e adulto. A fêmea é maior e azulada, enquanto que o macho é pequeno e facilmente identificável. Ambos transmitem a doença. Os adultos são capazes de viver durante meses sem alimento e dão continuidade ao seu ciclo de vida quando as condições se tornam favoráveis.

Tratamento: uso regular de carrapaticidas na forma de gotas aplicadas sobre a pele, pós, banhos e colares-especialmente durante o verão. Os inseticidas também podem ser aplicados nas orelhas nos casos de infestação ótica. As lesões causadas por necrose de pele devem ser reparadas cirurgicamente e as infecções bacterianas secundárias devem ser controladas. Os abcessos cutâneos devem ser drenados. As doenças infecciosas transmitidas por eles devem ser tratadas de acordo com as drogas especificas, prescritas por veterinários.

Prognóstico: devido ao rápido crescimento populacional, os carrapatos são quase impossíveis de erradicar, mas podem ser controlados.

Prevenção: uso contínuo de inseticidas para controlar o número de carrapatos nos animais, bem como no ambiente.

Quando encontrar um carrapato, veja o que deve ser feito:

1. use uma pinça para segurar o carrapato pela extremidade onde ele se fixa à pele. Se você passa muito tempo em áreas sujeitas a ter carrapatos, é bom manter algumas pinças à mão somente para removê-los. Sempre desinfete as pinças depois de usá-las.

2. puxe o carrapato para fora. Puxe com um movimento lento e firme, e não sacuda ou gire o carrapato. Tenha cuidado para não espremer o abdômen dele.

3. lave toda a área com água e sabão.

4. se possível, guarde o carrapato. Ele pode ajudar os médicos a fazer um diagnóstico mais preciso em caso de doença.


Se você já ouviu algumas histórias antigas sobre como remover carrapatos, é provável que elas não sejam uma boa idéia. Aplicar álcool isopropílico, vaselina, removedor de esmalte ou colocar um fósforo aceso próximo da área não irá ajudá-lo a remover o carrapato. É mais provável que essas coisas façam o carrapato regurgitar, lançando substâncias potencialmente infectadas dentro da picada.

Embora remover os carrapatos sem demora possa reduzir de maneira significativa suas chances de ficar doente, a melhor estratégia ainda é evitar ser picado.

3 comentários:

Anônimo disse...

encontrei uma gatinha no portao da minha casa, ela andava toda torta e nao ouvia nada. Depois de um tempo vi que tinha um carrapato proximo a entrada do ouvido. mas ainda nao tenho ideia do q fazer. o post ja ajuda bastante, valeu!

Ivan Chitolina disse...

Esse é o objetivo do blog, em ajudar as pessoas de alguma forma. Obrigado pela devolutiva, é sempre bom saber que estamos ajudando. Grande abraço.

Anônimo disse...

o meu cão volta e meia fica com esses carrapatos. Dou banho de Triatox e ainda passo pela casa. E durante um tempo eles desaparecem. Gostaria de saber o que posso passar na pele dele. Nos lugares picados ficam umas casquinhas. e quando fazemos carinho nele sentimos essas bolinhas. É chato. Qual remédinho posso usar?
Parabéns pelas postagens. Abs. Stella Azevedo. 11/12/2012